terça-feira, 28 de setembro de 2010

CAPITULO 3

- use a espada, dois para cada - eu falei para ela, mas não precisava ter dito ela jah estava com a espada na mão ao meu lado

- voce esta bem soldado? - por que ela me chamou assim?

- estou rainha, e voce minha rainha?

- otima, vamos terminar com eles

atacamos, mas logo percebi que ela estava ferida, deve ter sido quando um deles a atacou antes, matei dois e ela duelava com os outros dois ao mesmo tempo, fui ajuda - la mas ela conseguiu matar eles

joe off

zac on

a cena era devastadora, e impossivel de acreditar, o kevin e a dani mortos no chão , com as gasgantas cortadas, daniel chegou perto deles e conferiu a pulsação, era rotina, por mais que nós soubesemos o resultado

- estão mortos, coitado do joe e da vanessa

- eles não mereciam, mas acho que o berro que nós escutamos foi dela

- tbem acho isso

- vamos pegar o rei e a rainha e dar o fora, ele vai voltar e eles tem que estar em segurança

- vamos

nós nos dirigimos para os aposentos reais e foi mos para o quarto da rainha selena e do rei nicholas, mas essa estava vazio procuramos em toda parte, mas eles haviam desaparecido junto com os guardas que eu enviei para protege-los

- senhor venha ver isso aqui - chamou em dos soldados

- o que foi? - respondi

- eu achei isso

ele me monstrou um bilhete, resumindo dizia que havia raptado o rei e a rainha e que voltaria para pegar a rainha demetria, assinado FN , acho que todos sabem quem eh esse cara, tenho que encontrar o joe

CAPITULO 2

sel: a demi acha, quer dizer, eu acho que eu tbem acho isso, quer dizer, eu não sei se a demi ta certa, mas talvez ela estaja quer dizer ( me embolei tuda )

nick: para, não to entendendo nada

sel: resumindo

nick: eh assim vai fica mais facil

sel: promete que me ama

nick: que isso selly? eh claro que eu te amo

sel: eu to gravida

eu sorri e olhei pra ele

o nick so se levantou e me beijou

nick: eu te amo selena

sel: tbem te amo nick

nós nos beijamos de novo, mas então ouvimos um berro

olhei assustada pra ele

nick(sussurando): fica aqui, eu vou ver o que ta acontecendo, vo chama a demi

sel off

daniel on

a guerra começou, de repente algo explodiu , alguem gritou e então silencio, não se ouvia nada, não se via nada, eu sabia de 3 coisas, 1ª joe e zac estavam do me lado , 2ª kevin havia sumido, 3ª o feiticeiro negro voltou.

meu pai era o capitão , ele mandou todos entrarmos no castelo, então fomos, eu joe e zac na frente, nós nos dirigimos aos aposentos reais, quando chegamos perto , alguem tocou me ombro, instintivamente saquei minha espada, a pessoa recuou, então percibi que era um o rei nick

- desculpa senhor, não o reconheci - falei sussurando

- tudo bem, voces tem que me ajudar, não acho a rainha demi e minha esposa esta la em cima - ele respondeu no mesmo tom

- joe, va procurar a rainha demi , senhor volte para sua esposa, nós cuidaremos de tudo

- obrigado - disse ele jah subindo as escadas

joe foi em direção ao outro lado do castelo procurar a rainha, enquanto nós fomos para os fundos, local de onde veio o grito, mandei alguns soldados acompanharem o rei

chegando la nos deparamos com uma cena horrorosa

daniel off

joe on

sai para procurar a rainha, espero que ela esteja bem , nada pode acontecer com ela, então senti algo no meu pescoço

- quem é voce? - era uma mulher, logo reconheci a voz, era a rainha demi

- acalme- se minha rainha, sou um soldado de seu reino

- me desculpe, está tã o escuro aqui que não o vi direito

- vamos embora

- mas e a minha irmã , e o nick?

não tive tempo de responder, algo nos atacou

eu não tive reação , mas demi girou o apunhalou o agreçor com sua espada, mas havia muito mais

- eu sei que voce é a melhor arqueira do reino, está com o seu arco ai?

- ele está sempre comigo

- vou atacar com a espada , me de cobertura com o arco , ok?

- vai la

eu ataquei, foi treinado para ser o melhor espadachim e sou muito bom mesmo, mas tive grande ajuda, demi lançava flechas em nossos adversarios que corriam e se movimentavam o tempo todo , e ela sempre acertava,ela estava em um canto mais isolado, mas mesmo assim ela tinha visão de tudo , o que ajudou bastante, quando eles tentavam se aproximar, ou ela os acertavam com flechas ou eu os bolpeava mas estava escuro e ela não viu um deles se aproximar, eu gritei, mas ele estava perto demais, achei que ela fosse morrer, mas ela usou sua espada e o matou, totalmente imprecionante, mas depois disso suas flechas não eram tão precisas e errou uma ou duas, mas eles estavam no fim , restavam 4 agora e as flechas dela haviam terminado

- use a espada, dois para cada - eu falei para ela, mas não precisava ter dito ela jah estava com a espada na mão ao meu lado

- voce esta bem soldado? - por que ela me chamou assim?

- estou rainha, e voce minha rainha?

- otima, vamos terminar com eles

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

CAPITULO 1

demi on...

eu acabei de acorda, nossa ontem eu treinei muito, apesar de ser a melhor arqueirado reino tenho que treinar, a sel acha que eh idiotice, mas eu discordo, bom a gente eh irmã mas isso nã o quer dizer que tenho q pensar igual não eh?

sel: oi demi

demi:oi selly

sel: bom dia

demi: bom dia pra voce tbem

sel: a gente tem que conversa

demi: fala

sel: eu to meio mal

demi: como assim

sel: não sei , eu ando sentindo umas tonturas e uns enjoos

demi: selena , minha irmã eu sei o que voce tem

eu falei isso bem seria, eh obvio que ela ta gravida, mas vo aterrorisa ela um pouquinho

sel: sabe? sabe mesmo?

ela ta loka de medo

demi: sei, e eh muito grave, muito muito grave

sel: fala logo demi o que eh

demi: selena lovato lucas, minha amada irmã

sel: disinbucha demi

demi: isso não eh o linguajar de uma rainha, minha irmã

ela me olho de um jeito que até eu que so uma guerreira tive medo

demi: calma, a verdade eh que voce esta gravida

ela fico parada me olhando, acho que ela travo

demi: selly?

ela não moveu nem um musculo

demi: maninha?

ela desmaio, eu pequei ela antes que ela caise

coloquei ela na minha cama e fiquei tentando acorda-la

xxx: selly? o que q acanteceu demi?

demi: oi nick, a sel desmaio, me ajuda a acorda ela

a gente fico uns 20 min tentando acorda ela quando finalmente conseguiu

sel: ai minha cabeça, o que q houve? a ultima coisa que eu me lembro eh da demi falando que eu to...

acho que agora ela se deu conta que o nick ta aqui

sel: oi nick

nick: oi amor, a demi falo que voce ta o que?

acho que essa eh a minha deixa

demi: eu vo indo, beijos, e sel, eu tenho certeza disso

eu sai, não ia fica vendo essa domenstração de carinho, isso me enoja

demi off

sel on

a demi tem tanta certeza que eu to gravida, o nick ta me olhando , ele ta esperando uma resposta, o que eu falo

nick: então sel, o que voce tem?

sel: a demi acha, quer dizer, eu acho que eu tbem acho isso, quer dizer, eu não sei se a demi ta certa, mas talvez ela estaja quer dizer ( me embolei tuda )

nick: para, não to entendendo nada

sel: resumindo

nick: eh assim vai fica mais facil

sel: promete que me ama

nick: que isso selly? eh claro que eu te amo

sel: eu to gravida

eu sorri e olhei pra ele

o nick so se levantou e ...

____________________

essa capitulo foi a minha amiga que fez o dois vai ser eu

beijos

PERSONAGENS !!!!!!!!!!

Demetria Devonne Lovato
18 anos
melhor arqueira do reino, muito batalhadora e linda, eh disputada pelos homens mais ricos do reino, onde eh rainha, nunca prestou atenção a esses homens, diz que amor eh coisa de gente idiota, irmã de selena, tem poderes magicos, mas eles se restrigem a ler mentes, quando sua irmã e nick desaparecem vai atras do espelho magico.


Joseph Adam Jonas
21 anos
soldado do reino de demi sel e nick, sempre achou demi bonita, mas tbem valente e corajosa, nunca falou com ela, quando o reino eh invadido perde seu irmão kevin e a esposa dele, danielle, resgata demi e a ajuda a encontrar o espelho magico.

Selena Marie Gomez Lovato Lucas
18 anos
irmã de demi , casado com nick, eh rainha, tem poderes magicos, mas eles são apenas de mostrar as pessoas o que ela pensa desaparece durante o ataque do feiticeiro negro
Nick Jerry Lucas
20 anos
rei , casado com selena, não tem poderes , sabe que demi e selena tem, sabe lutar, vai desaparecer durante a invasão

Vanessa Anne Hudgens Jonas
22 anos
irmão de joe, quando o reino eh invadido perde seu irmão kevin e a esposa dele, danielle, é apaixonada por zac, vai se tornar amiga de demi, e vai ajuda-la



Zachary David Alexander Efron
22 anos
melhor amigo de joe,tambem é um soldado, apaixonado pela irmão do amigo, vanessa vai proteje-la e vai ajudar demi e joe


Emma Charlotte Duerre Watson
20 anos
filha de um soldado do reino , foi prometida a se casar com joe, mas não o ama, durante a guerra vai encontrar um grande amor


Daniel Jacob Radcliffe
21 anos
soldado do reino ao lado de joe e zac, seu pai quer que ele se casa com vanessa, mas ele não a ama, se tornou um soldado por que seu pai o obrigou, faz tudo que o pai quer , mas quando cohecer uma pessoa e se apaixonar por ela vai se revoltar contra o pai

Paul Kevin Jonas II e Danielle Deleasa Jonas
22 anos/22 anos
ele é irmão de joe e vanessa tambem era soldado, eles morrem duram o ataque do reino, mas continuam " vivos" como fantasmas guiando demi e joe, na verdade vão ajudar todos os personagens.

Feiticeiro Negro
( sem idade )
por algum motivo odeia as irmãs lovatos e os irmãos jonas, tenta matar todos eles, fara de tudo para vencer.

_______________________________

espero que voces gostem da nova historia, na verdade eu tive a ideia um tempo atras, mas não fiz e uma amiga minha começo a fazer, mas não acabou, agora eu voltei com ela.

beijos

TO DE VOLTA!!!!!!!!!!!!!

oi gente , eu estou de volta, e vim com tudo , pra quem segue o meu outro blog sabe o motivo do meu desaparecimento, pra quem não segue, o motivo foi que eu perdi a senha do blog e do e-mail ¬¬'

sobre a historia, eh o seguinte , ela era baseada em um livro, mas eu não tenho mais o livro, pq eu troquei de pc, então hitória nova.

beijos e me desculpem por deixar voces na mão

amo voces

e desculpa de novo

quinta-feira, 6 de maio de 2010

capitulo 6

— Bem vindos à Meia Noite. – disse, abrindo as mãos em um gesto de acolhida. Ela
tinha unhas grandes e translúcidas. – Alguns de vocês já estiveram aqui antes. Outros já
ouviram falar da Academia Meia Noite durante anos, talvez as suas famílias, e vocês se
perguntaram se algum dia entrariam em nossa escola. Este ano, aliás, contamos com um
novo tipo de estudantes, resultados de uma mudança na política de admissão.
Acreditamos que há chegado o momento de que nossos alunos conheçam um leque maior
de pessoas de origens variadas e, deste modo, prepará-los melhor para o mundo que os
esperam do outro lado das paredes de nossa instituição. Todos nós temos muito que
aprender desses outros estudantes, e estou certa que os tratarão com o respeito que
merecem.
Para o caso, poderiam ter pintado com spray vermelho em gigantescas letras:
ALGUNS DE VOCÊS NÃO SE ENCAIXAM AQUI. A "nova política de admissão" era,
sem dúvida, a responsável da presença do surfista e da garota do cabelo curto. Pelo visto,
nem se quer os consideravam "verdadeiros" alunos da Meia Noite, sendo que
representavam unicamente uma experiência educativa para os alunos "legítimos".
Eu não fazia parte da nova política. Se não fossem por meus pais, não estaria ali.
Em outras palavras: nem sequer era suficientemente diferente deles para me
considerarem um dos marginalizados.
— Em Meia Noite não tratamos nossos alunos como se fossem crianças. – A
senhora Darbus não se dirigia a ninguém especificamente, mas parecia se limitar a
observar por cima de todos com uma espécie de olhar distante que, no entanto, abrangia a
tudo o que entrava em seu campo de visão. – Eles têm vindo para aprender a se
comportar como adultos do século XXI, e assim é como se espera que se comportem. No
entanto, isso não significa que Meia Noite careça de normas. A posição que ocupamos
nos exige manter a mais estrita das disciplinas. Esperamos muito de vocês.
Não mencionou quais seriam as repercussões no caso de quebrarem as regras, mas
eu temia que os castigos só fossem o aperitivo.
Minhas mãos suavam. Estava cada vez mais corada e tinha a impressão que
chamava a atenção como um sinalizador. Eu tinha me prometido ser forte e não permitir
que as pessoas me intimidassem, mas palavras os ventos levam. Os altos tetos e as
paredes do grande saguão, parecia se fechar sobre mim. Inclusive senti que começava a
ficar sem ar.
Minha mãe conseguiu chamar minha atenção sem me fazer nenhum gesto nem me
chamar pelo nome, como costumam fazer as mães. Meus pais estavam em uma das
extremidades da fila de professores esperando para que os apresentassem e ambos
sorriram para mim com confiança. Eles queriam ver-me desfrutar do momento.
A infundada esperança foi o que sobrecarregou o copo. Já era suficientemente duro
ter que lutar contra o medo, para por cima me ver obrigada a enfrentar a sua decepção.
— As aulas começarão amanhã. – concluiu senhora Darbus – Por hoje, instalemse
em seus quartos, apresentem-se a seus colegas, passeiem pelas instalações. Contamos
com que estejam preparados. É um prazer tê-los aqui e esperamos que vocês saibam
aproveitar sua estadia em Meia Noite.
A sala irrompeu em aplausos e a senhora Darbus os agradeceu com um ligeiro
sorriso e uma caída de olhos, um piscar lento e satisfeito, como o de um gato bem
alimentado. Em seguida, o sussurro generalizado voltou a se impor na sala, mais violento
do que antes. Só tinha uma pessoa com que eu desejava falar e estava claro que essa
poderia ser a única pessoa que talvez se interessasse em falar comigo.
Rodeei toda a sala mantendo as costas sempre pressas à parede. O procurei entre a
multidão com desesperação, ansiando um vislumbre da faísca de cabelo castanho escuro  de Joe, suas largas costas ou seus olhos verdes escuros. Se eu o procurava e
ele estivesse me procurando, cedo ou tarde teríamos que nos encontrar. Apesar do pânico
que me provocavam as massificações de pessoas, e minha tendência de exagerá-las, sabia
que só tinha uns duzentos alunos naquele lugar.
Disse a mim mesma que Joe se sobressairia, que não era como os outros: frio,
pedante e vaidoso. No entanto, em seguida compreendi o quão enganada eu estava. Joe
não era pedante, mas compartilhava o mesmo aspecto: traços belos e definidos, o mesmo
corpo de perfeitas proporções e a mesma... em fim, a mesma perfeição. Não se destacaria
demais no meio daquelas pessoas tão perfeitas porque na verdade ele fazia parte delas.
Diferente de mim.
À medida que os professores e alunos se dispersavam, a multidão foi gradualmente
diminuindo. Fiquei vagando por lá até que fui quase a única que ficou no grande saguão.
Eu estava convencida que Joe viria me procurar. Ele sabia o quão assustada eu estava e
se sentia responsável por ter me assustado ainda mais. Será que ele nem se quer queria
me cumprimentar?
No entanto, ele não apareceu. No final tive que aceitar que o tinha julgado mal e
isso significava que não tinha mais remédio a não ser ir conhecer minha colega de quarto.
Subi os degraus de pedra lentamente. Meus sapatos novos de solas duras repicavam
contra o chão e meus passos ressoavam com grande escândalo. O que eu tinha desejado
era continuar subindo até o último andar e ir diretamente para o apartamento dos meus
pais, mas sabia que me iriam me enviar escada a baixo imediatamente assim que eu
abrisse a porta. Eu tinha tempo de sobra para pegar minhas coisas e me mudar
definitivamente depois de comer. No momento a prioridade era “me instalar”.
Tentei olhar pelo lado positivo. Talvez a escola tivesse intimidado minha colega de
quarto tanto quanto a mim. Certamente as coisas seriam mais simples se eu convivesse
com outra "marginalizada". Ia ser uma tortura ter que viver com uma estranha, me ver
obrigada a compartilhar o mesmo espaço com alguém a quem eu não conhecia, inclusive
de noite, ainda que eu esperava que isso acabaria passando. Nem nos meus melhores
sonhos imaginava fazer amizade com ninguém.
No formulário dizia "Miley Ray Cyrus”. Tentei relacionar o nome com a garota
que lembrava, mas ela não batia com ele, mas quem poderia saber?
Abri a porta e descobri, com a alma nos pés, que o nome de minha colega lhe servia
como um anel no dedo. Não era nenhuma marginal. Na verdade era a mesma
personificação do protótipo da Meia Noite.
A pele de Miley tinha a tonalidade de um rio ao amanhecer, uma pele excelentemente torrada e suave, e tinha o cabelo encaracolado preso em um coque frouxo
que deixava à vista seus brincos de pérolas e um esbelto pescoço. Estava sentada diante
da penteadeira e me olhou enquanto ordenava cuidadosamente seus vidros de esmaltes.
— Então você é Demi – disse. Nem apertos de mão, nem abraços, somente o
tilintar dos esmaltes contra a penteadeira: rosa pálido, coral, melão, branco – Você não é
como eu esperava.
Muito obrigada.
— Eu digo o mesmo.
Miley inclinou a cabeça e me esquadrinhou com o olhar. Perguntei-me se já nos
odiávamos. Levantou uma mão com manicura perfeita e começou a deixar claro vários
pontos contando com os dedos.

terça-feira, 4 de maio de 2010

capitulo 5

Era o mesmo tipo de discurso que ele fazia quando eu era pequena antes de ter que
engolir o xarope para tosse.
— Não quero voltar a ter essa conversa agora.
— Patrick, deixe-a em paz. – Minha mãe me estendeu um copo antes de voltar para
a cozinha, onde havia algo fritando em uma frigideira. – Além do mais, como não
acordamos cedo, nós vamos chegar tarde à reunião do corpo docente antes da
apresentação.
Meu pai consultou a hora e resmungou.
— Por que colocam essas coisas tão cedo? Como se alguém quisesse ter que descer
lá à essas horas.
— Tem toda razão. – murmurou minha mãe.
Para eles, qualquer hora antes do meio dia era cedo demais. No entanto, tinham
trabalhado como professores desde que me lembrava, sem esquecerem nem um único dia
de sua grande disputa com as oito da manhã.
Acabaram de se preparar enquanto eu tomava o café da manhã, fizeram algumas
brincadeiras com intenção de me animar e me deixaram sozinha sentada à mesa. Pois
bem. Muito tempo depois que desceram as escadas e os ponteiros do relógio se
arrastaram sigilosamente para a hora da apresentação, eu continuei na cadeira. Acho que
eu tentava me convencer de que, enquanto não terminasse com meu café, não teriam que
ir conhecer todas essas pessoas novas.
O fato de que Joe estaria entre elas – um rosto amigo, um protetor – ajudava um
pouco. Mas não muito.
Finalmente, quando ficou óbvio que não poderia mais adiar, entrei em meu quarto e
vesti o uniforme da Meia Noite. Odiava o uniforme; eu nunca havia tido que usá-lo. No
entanto, o pior de tudo foi que, ao entrar no meu quarto, voltei a recordar o estranho
pesadelo que tinha tido essa noite.
Uma camisa branca engomada.
Espinhos arranhando minha pele, me surrando, me animando a regressar.
Uma saia vermelha pregueada.
Pétalas se ondulando para cima e se escurecendo, como se queimassem no meio de
uma fogueira.
Um suéter cinza com o escudo da Meia Noite.
OK. Esta não é uma boa ocasião para deixar de ser uma mórbida irremediável?
Como já, por exemplo?
Decidida a me comportar como uma adolescente normal e comum pelo menos no
primeiro dia de aula, eu me olhei no espelho. O uniforme não me caia precisamente mal,
ainda que também não caia lindo de morrer. Fiz um rabinho no cabelo, sacudi um
raminho que tinha me passado despercebido e decidi não dar mais volta: já estava
preparada.
A gárgula continuava me encarando insistentemente, como se tivesse se
perguntando como era possível que alguém pudesse ter essa pinta. Ou talvez estivesse
zombando pelo tumultuoso fracasso do meu plano. Pelo menos não teria mais que olhar
para sua horripilante cara. Endireitei-me e saí do meu quarto... pela última vez: deixava
de me pertencer de agora em diante.
Tinha estado vivendo no internato com meus pais no último mês, então tive tempo
para explorar a escola de cima a baixo: desde o grande saguão até as classes importantes
no térreo, que depois se dividiam em duas torres enormes. Os garotos viviam na torre
Norte com parte dos apartamentos dos professores, e, além disso, tinha um par de salas
que cheiravam a mofo e estavam cheias de arquivos, onde pelo visto iam parar todos os
registros. As garotas se alojavam na Torre Sul, junto com o restante dos apartamentos dos
professores, incluindo minha família. Os andares superiores do edifício principal, em
cima do grande saguão, se alojavam as salas e a biblioteca. Com o tempo, tinham
ampliado e feito adições à Meia Noite, portanto nem todas as seções tinham o mesmo
estilo ou estavam em perfeita simetria com o resto. Havia alguns corredores serpenteantes
que não conduzia a parte alguma. Do quarto da minha torre eu estudava o telhado, um
manto de fragmentos de arcos, taboas e estilos diferentes. Tinha aprendido a me mover
pelo edifício e seus arredores, era a única forma para me sentir preparada para enfrentar o
que vinha pela frente.
Voltei a descer os degraus. Dava na mesma todas as vezes que fazia esse caminho,
sempre tinha a sensação de que cairia rolando pela desgastada escada até o último degrau.
Olha como você é idiota se preocupando com pesadelos com flores murchas ou com cair
da escada, disse a mim mesma. Aguardava-me algo muito mais assustador.
Cheguei embaixo e saí ao saguão. Essa mesma manhã, mais cedo, tudo estava em
silêncio, como em uma catedral. Agora, estava abarrotado de gente e suas vozes
ressoavam em todas as partes. Apesar dos barulhos, tive a sensação de que meus passos
retumbaram na sala porque várias pessoas se viraram para mim de uma vez; era como se
todo mundo tivesse se virado para olhar o intruso, como se eu levasse pendurado no
pescoço um letreiro em neon que dizia: A NOVA.
Os alunos, reunidos em grupos muito apertados para que pudesse entrar um recém
chegado, voltaram seus vivos olhos escuros para mim. Foi como se todos pudessem sentir
o pavor pairado do meu coração. Todos me pareciam iguais, não de uma maneira clara e
precisa, mas sim da perfeição que compartilhavam. Os cabelos de todas as garotas
brilhavam, e elas os deixavam soltos sobre os ombros ou presos em um elegante coque.
Todos os garotos pareciam seguros de si mesmos e vigorosos, com sorrisos que lhes
serviam de máscaras. Todo mundo vestia o uniforme: suéteres, saias, jaquetas e calças
com todas as variações possíveis: cinzas, vermelhos, com xadrez, pretos. Todos levavam
o escudo do corvo bordado e o resplandeciam como se fosse o brasão de sua família.
Todos esbanjavam segurança, superioridade e desdém. Senti o calor que se desprendia ali
em pé, na periferia do lugar, mudando de um pé para o outro, desconfortável.
Ninguém me cumprimentou.
O murmúrio geral voltou a se impor imediatamente. Pelo visto, as garotas novas
deselegantes não mereciam mais que alguns instantes de atenção. Minhas bochechas
queimavam de vergonha, porque era óbvio que tinha feito alguma coisa errada, mas não
consegui imaginar o que poderia ser. Por acaso teriam sentido, assim como eu, que na
verdade eu não iria me encaixar ali?
Perguntei-me por onde andava Joe. Estiquei o pescoço, o procurando pela
multidão. Achava que poderia enfrentar tudo aquilo se Joe estivesse do meu lado.
Talvez fosse uma idiotice nutrir esse tipo de sentimento para um cara que eu mal
conhecia, mas o fiz assim mesmo. Joe tinha que estar em algum lugar, mas não
consegui encontrá-lo. Sentia-me completamente sozinha no meio de todas essas pessoas.
À medida que ia margeando o salão para um canto, comecei a reparar em que havia
outros alunos que estavam na mesma situação que eu ou, pelo menos, que também eram
novos. Um garoto loiro com um bronzeado de praia vestia uma roupa tão amassada que
dava a impressão ter dormido vestindo ela, ainda que precisamente ali não parecesse que
ir super-informal fosse te fazer ganhar pontos. Por baixo da jaqueta, mas encima do
suéter, usava aberta uma camisa Havaiana de cores tão berrantes que se destacavam na
penumbra de Meia Noite. Também havia uma garota com o cabelo muito escuro e tão
curto que parecia um garoto. O corte de cabelo não era descontraído e juvenil, mas sim
dava a impressão de que foi feito com uma navalha de barbear de um jeito que melhor lhe
tinha parecido. O uniforme, dois números maior, penduravam pelos ombros. Era como se
as pessoas se afastassem dela, como se os repelisse com um campo de energia. Como se
fosse invisível. Tinham-lhe colocado o sambenito de insignificante, antes mesmo da
primeira aula.
Como eu podia ter tanta certeza disso? Bem, porque também tinha acontecido
comigo. Estava parada na periferia da multidão, agoniada pelos murmúrios, intimidada
pelo sagão de pedra e tão perdida quanto se pode estar.
— Atenção!
A voz retumbante quebrou o barulho e o reduziu ao silêncio. Todo mundo se voltou
de uma vez para o extremo do grande saguão, onde a Senhora Darbus, a diretora, tinha
subido ao pódio.
Ela era uma mulher alta, de abundante cabelo escuro que levava preso no cangote,
com as mulheres da época vitoriana. Foi-me impossível adivinhar sua idade. Usava uma
blusa de renda que se fechava com um broche dourado no pescoço. Se você considera
que a severidade é um sinônimo de beleza, não haveria ninguém mais atrativo que ela. Eu
a tinha conhecido quando meus pais e eu nos instalamos nos apartamentos do corpo
docente e ela já tinha me intimidado um pouco, ainda que me obrigasse a lembrar que
mal a conhecia.
De qualquer forma, nesse momento ela parecia mais imponente ainda. Ao ver com
que imediata e facilidade impunha ordem naquela sala cheia de pessoas, – as mesmas que
haviam me excluído de mútuo e tácito acordo antes de me dar a oportunidade de que me
ocorresse algo que dizer – compreendi pela primeira vez que a senhora Darbus tinha
poder. E não se tratava do poder que acompanha de maneira inerente ao cargo de
diretora, mas sim ao poder real, ao inato.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

capitulo 4

Foi como se Joe pudesse ouvir essa voz, porque houve algo perturbador no jeito
que se virou para me olhar. Deveria parecer o típico cara Americano, com esses traços
tão marcados e os uniformes do colégio, mas ele não era. Durante minha fuga e nos
momentos que se sucederam, quando ele achava que estávamos tentando salvar a vida,
tinha percebido algo selvagem espreitando por baixo dessa fachada.
— Eu gosto de gárgulas, montanhas e ar puro. Isso é tudo.
— Você gosta de gárgulas?
— Eu gosto de monstros que sejam menores do que eu.
— Nunca tinha pensado dessa forma.
Tínhamos chegado às linhas dos prados. O sol brilhava com força e tive a sensação
de que a escola despertava e se preparava para receber os alunos e devorá-los através da
abobadada entrada de pedra.
— Ela me deixa apavorada. – Confessei.
— Ainda não é tarde demais para sair correndo, Demi. – Disse com toda
tranqüilidade.
— Não quero sair correndo, mas também não quero estar rodeada por estranhos.
Quando estou com pessoas que não conheço sou incapaz de falar, de agir normalmente
ou ser eu mesma... Porque está sorrindo?
— Bem, não me parece que você tenha tido muitos problemas para falar comigo.
Pisquei surpresa. Joe tinha razão. Como isso foi possível?
— Com você... suponho que... Acho que me assustou tanto que passou o medo do
choque. – balbuciei.
— Eh, pois funcionou.
— Sim. – No entanto senti que havia algo a mais. Os estranhos me davam pânico,
mas ele não era um estranho. Tinha deixado de ser quando entendi que ele tinha tentado
salvar minha vida. Tinha a sensação que conhecia Joe desde sempre, como se estivesse
esperando sua chegada durante anos. – Devo voltar antes que meus pais perceberem que
não estou.
— Não deixe que te passem sermões.
— Eles não vão.
Jow não parecia ter tanta certeza disso, mas assentiu e se afastou. Perdeu-se entre
as sombras enquanto eu entrava em um cerco de luz.
— Nos vemos por aí.
Levantei a mão para dizer adeus, mas Lucas já tinha ido. Ele tinha desaparecido
sigilosamente no bosque.
Voltava a subir a grande escada de caracol até chegar ao último andar da
torre, ainda trêmula por causa da descarga de adrenalina. Desta vez não
me preocupei em não fazer ruído. Larguei no chão a mochila que
levava no ombro e me desabei no sofá. Haviam ficado algumas folhas
emaranhadas no meu cabelo e comecei a tirá-las.
— Demi? – Minha mão saiu do seu quarto, amarrando o cinto do roupão. Sorriu
para mim sonolenta. – Levantou cedo para dar um passeio, coração?
— Sim – respondi, com um suspiro. Já não valia a pena montar uma cena
dramática.
Meu pai saiu em seguida e a abraçou por trás.
— Não posso acreditar que nossa garotinha já esteja na Academia Meia Noite.
— O tempo passa tão rápido... – lamentou-se minha mãe com um suspiro – Quanto
mais velho se fica, mais rápido passa.
Meu pai sacudiu a cabeça.
— Eu sei.
Resmunguei. Sempre diziam a mesma coisa e tínhamos transformado em uma
espécie de brincadeira o aborrecimento que me produzia. Os sorrisos dos meus pais se
expandiram.
"Parecem muito jovens para serem seus pais", muitas vezes comentavam as pessoas
da minha cidade, embora o que eles realmente queriam dizer era "bonitos demais". Em
ambos os casos era verdade.
O cabelo da minha mãe tinha um tom caramelo e o do meu pai era de um vermelho
tão escuro que parecia quase preto. Meu pai era de estatura média, mas musculoso e
robusto, enquanto minha mãe era bem baixinha. O rosto da minha mãe era perfeito e
oval, como um camafeu antigo, enquanto meu pai tinha o queixo quadrado e um nariz
que parecia ter participado de mais de uma briga na juventude, ainda que em seu rosto
fizesse um bom efeito. Enquanto eu... Meu cabelo tinha uma tonalidade preta que
só podia ser descrita assim: preto; e minha pele era tão branca que sofria de uma
palidez mais mortuária do que antiga. Ali onde o meu DNA poderia ter virado para a
direita, havia dado uma brusca virada para a esquerda. Meus pais diziam que eu me
tornaria uma mulher muito bonita, mas isso é o que costumam dizer todos os pais.
— Vamos te dar algo para o café da manhã. – disse minha mãe, se dirigindo à
cozinha. – ou você já comeu algo?
— Não, ainda não.
Cai em conta que não teria sido uma má idéia ter comido alguma coisa antes da
minha grande fuga, meu estômago roconcava. Se Joe não tivesse me detido, nesse
momento eu estaria vagando pelo bosque com uma fome de lobo e com uma longa
caminhada até Riverton pela frente. Grande plano de fuga.
Neste momento, me veio à mente a imagem de Joe se lançando sobre mim e nós
dois rolando entre a relva e as folhas. Tinha me dado um susto de morte e estremeci ao
me lembrar, embora agora que por razões bem diferentes.
— Demi – Meu pai parecia muito sério e o olhei com o sentimento de
culpabilidade. Por acaso ele tinha adivinhado o que eu estava pensando? Então percebi
que estava ficando paranóica, ainda que fosse incontestável que meu pai não sorria
quando se sentou do meu lado. – Sei que não é o que mais deseja, mas Meia Noite é
importante para você.

divulgando

gente o primeiro blog eh de uma garota que vai termina a minha primeira historia , aquela do jj

http://jemi-amorevivervivereamor.blogspot.com/

o outro eh de uma amiga, ela vai faze a historia da outra sinopse que eu sugeri

http://renatajemistory.blogspot.com/

beijemi

quarta-feira, 28 de abril de 2010

capitulo 3

Neste momento Joe me fez uma pergunta que deixou deslocada:
— Quer realmente ir embora daqui?
— Está se referindo a... fugir? Realmente fugir?
Joe assentiu e parecia que o dizia muito a sério. Ainda que não pudesse ser. Com
certeza ele tinha me perguntado para me trazer de volta à realidade.
— Não, não quero – admiti finalmente – Vou voltar e me preparar para ir às aulas
como uma boa menina.
Outra vez esse sorriso.
— Ninguém te obriga a se comportar como uma boa menina.
Seu modo de dizer isso me reconfortou.
— É que... A Academia Meia Noite... Não sei se eu vou saber me encaixar neste
lugar.
— Eu não me preocuparia com isso. Pode ser que não seja tão ruim acabar não se
encaixando neste lugar.
Ele me olhou fixamente, muito sério, como se soubesse de outro lugar em que
pudesse encaixar melhor. Ou ele realmente gostava de mim ou estava imaginando porque
queria que ele gostasse. A experiência praticamente nula sobre esse tema me impediu de
saber.
Coloquei-me em pé a toda pressa.
— E o que você estava fazendo quando me viu? – Perguntei, enquanto ele também
se levantava.
— Eu já te disse, achei que precisava de ajuda. Por aqui passam pessoas que são um
pouco baderneiras. Nem todo mundo sabe se controlar. – Ele retirou algumas agulhas de
pinheiro do suéter. – Não deveria ter tirado conclusões precipitadas, mas agi por instinto.
Desculpe.
— Não se preocupe, de verdade. Já sei que queria me ajudar. Eu me referia ao que
estava fazendo antes de me ver. A apresentação só começará dentro de algumas horas e
ainda é muito cedo. Disseram para os alunos que chegassem por volta das dez.
— Nunca fui bom em seguir regras.
Aquilo estava começando a me parecer interessante.
— Então... Você é uma dessas pessoas matinais que se levantam de um salto pelas
manhãs?
— De jeito nenhum, mas eu ainda não dormi. – Ele tinha um sorriso cativante e eu
me dei conta que ele sabia como utilizar-lo. E eu não me importava. – De qualquer
forma, minha mãe não podia me acompanhar. Ela está fora, podemos dizer que de
viagem de negócios. Peguei o trem noturno e decidi chegar a pé, para conhecer o terreno
em que pisava e... Resgatar donzelas em apuros.
Ao me lembrar a que velocidade ele tinha corrido atrás de mim e entender que ele o
tinha feito para salvar minha vida, o foco da recordação mudou completamente: todos
meus medos se desvaneceram e sorri.
— Porque está vindo para a Meia Noite? Eu sou forçada a ficar pelos meus pais,
mas certamente você poderia ir a qualquer outro lugar. Um lugar melhor. Como... sei lá,
qualquer lugar.
Joe parecia sem saber o que responder. Ele ia afastando os ramos enquanto abria
caminho pelo bosque para que não batessem no meu rosto. Nunca antes tinham me aberto
passagem.
— É uma longa história.
— Não estou com presa para voltar. Além do mais, ainda faltam quatro horas até a
apresentação.
Joe inclinou a cabeça, mas não afastou o olhar de mim. Tinha algo
incontestavelmente sedutor neste movimento, ainda que não tivesse certeza de que ele
pretendia produzir esse efeito.
A cor dos olhos era quase idêntica ao da terra em que pisavamos.
— É que também é uma espécie de um segredo.
— Sei guardar segredos. Quero dizer, você vai manter em segredo esse assunto por
mim, certo? Refiro-me a sair correndo e morrendo de medo...
— Não vou contar a ninguém. – no final de alguns segundo de hesitação, Joe
acabou me contando a verdade. – Há uns cento e cinqüenta anos, um antepassado meu
tentou entrar no internato. Pode-se dizer que ele foi suspenso. – Joe começou a rir e foi
como se a luz do sol tivesse irrompido entre as arvores. – Por isso, depende de mim “para
limpar a honra da família".
— Não é justo. Não deveria ter que tomar suas decisões dependendo do que ele fez
ou deixou de fazer.
— Não todas, me deixam escolher as meias.
Sorri quando ele subiu a perna da calça para me mostrar a meia com losangos que
se mostrava por cima da pesada bota preta.
— Por que suspenderam seu tataravô ou o que quer que seja?
Joe sacudiu tristemente a cabeça.
— Foi combatido em um duelo na primeira semana.
— Um duelo? Vamos lá, alguém insultou sua honra? – Tentei me lembrar o que
tinha aprendido sobre duelos nas novelas e filmes românticos. O que estava claro era que
a história de Joe era definitivamente muito mais interessante que a minha. – Ou foi por
uma garota?
— Bem, ele teria que ter aproveitado muito bem o tempo para conhecer uma única
garota nos primeiros dias de aula.
Joe parou como se tivesse acabado de se dar conta que era o primeiro dia de aula
e ele já tinha conhecido uma garota. Senti um impulso, como se algo me puxasse
fisicamente para ele, mas nesse momento Joe virou a cabeça e cravou o olhar nas
torres de Meia Noite, que se avistava entre os ramos dos pinheiros. Foi como se o edifício
o tivesse ofendido.
— Pode ter sido por qualquer coisa. Então travaram um duelo à mínima mudança.
Segundo a lenda familiar, o outro cara foi quem começou, embora a verdade, é que da na
mesma. O que importa é que ele sobreviveu, mas não sem antes quebrar uma das vidraças
do Saguão.
— Ah, claro, tem uma com cristais transparentes e não sabia por quê.
— Agora você já sabe. Desde então, Meia Noite fechou as portas para minha
família.
— Até agora.
— Até agora. – Concordou. – E não me importo. Acho que aqui aprenderei muitas
coisas, mas isso não significa que eu tenha que gostar do que vejo.
— Pois eu não estou certa que gosto de algo. – Confessei. "Exceto você",
acrescentou uma voz interior, que tinha se arrebatado de repente.

capitulo 2

— Ah! – gritei meio asfixiada quando ele saltou sobre mim e caímos rolando.
Bati com as costas e ele me esmagou contra o chão com seu peso e suas pernas,
entrelaçadas com as minhas. Tampou minha boca com uma mão, mas eu consegui
libertar um braço. Nas aulas de autodefesa do meu antigo colégio, sempre dizia que tinha
que ir direto aos olhos, que tinha que golpeá-los, sem contemplações. Nunca tive dúvida
de poder fazê-lo quando tivesse na ocasião, já que seria para me colocar a salvo ou para
ajudar outra pessoa, mas estava tão apavorada que não sabia se poderia fazê-lo. Dobrei os
dedos, numa tentativa de me armar de algum valor.
— Você viu quem te seguia? – Sussurrou o sujeito nesse momento.
O olhei fixamente por alguns instantes. Ele retirou a mão da minha boca para que eu
pudesse responder. Minha cabeça pesava muito e tudo estava dando voltas.
— Está se referindo além de você? – Consegui dizer finalmente.
— De mim? – Ele nem tinha idéia do que eu estava falando. O sujeito lançou um
olhar furtivo por suas costas, como se continuasse na defensiva. – Você estava correndo
porque alguém estava te perseguindo... Não?
— Eu só corria. O único que me perseguia era você.
— Quer dizer que achava que... – O cara se separou de mim imediatamente para
que eu pudesse me mover. – Ah, ok, sinto muito. Não era minha intenção... Cara, devo
ter te dado um susto de morte.
— Então, sua intenção era me ajudar?
Tive que dizer em voz alta antes de conseguir acreditar. Ele assentiu vigorosamente
com a cabeça. Estava com o rosto muito próximo ao meu, perto demais, o que impedia de
ver outra coisa. Era como somente existíssemos nós dois e a névoa que se espessava ao
nosso redor.
— Sei que devo ter te assustado e sinto muito mesmo. Achava que...
Suas palavras não estavam servindo de grande ajuda. Estava cada vez mais irritada,
não menos. Precisava de ar e me tranqüilizar, entretanto isso era algo impossível com ele
tão perto de mim. Fiz um sinal com um dedo e disse algo que não creio ter falado a muita
gente, muito menos a um estranho, e muito menos ainda ao estranho que mais tinha me
aterrorizado na minha vida:
— Você... você quer... calar a boca?
Ele se calou.
Deixei cair minha cabeça contra o chão, soltando um suspiro. Levei as mãos nos
olhos e os apertei até ver tudo vermelho. Eu ainda tinha o gosto do sangue na boca e o
coração batia com tanta força que era como se meu peito estremecesse. Mais um pouco e
eu me mijava, talvez a única coisa que faltou para que aquela situação fosse mais
humilhante do que já era por si. No entanto, me limitei a respirar fundo, pouco a pouco,
até que me senti com forças para me recompor.
O cara continuava do meu lado.
— Por que me atirou no chão? – Consegui perguntar.
— Pensei que tínhamos que nos proteger e nos esconder de quem a estava
perseguindo, que no final se revelou ser, este... ninguém.
Ele parecia bem envergonhado.
Abaixou a cabeça e o olhei com tranqüilidade pela primeira vez. A verdade é que eu
não tinha tido tempo de me fixar em nada: quando a primeira coisa que pensa de alguém
é que ele é um "assassino pirado", você não analisa os detalhes. Dei-me conta que não se
tratava se um homem adulto, como eu tinha achado. Ainda que fosse alto e tivesse costas
largas, era jovem, talvez da mesma idade que eu. A corrida tinha-lhe alvoroçado o cabelo,
liso e preto, que caía na testa ocultando os olhos castanhos incrivelmente
escuros. Tinha a mandíbula forte e angulosa, e o corpo musculoso e robusto.
No entanto, o mais surpreendente de tudo era o que levava sob o casaco preto: botas
pretas, bastante surradas, calças pretas de lã e um suéter vermelho escuro de gola V,
estampado com um brasão: Dois corvos bordados de cada lado de uma espada prateada.
O escudo da Meia Noite.
— Você é aluno da escola. – eu disse.
— Bem, vou ser. – respondeu em voz baixa, como se temesse voltar a me assustar.
– E você?
Assenti com a cabeça enquanto desfazia o coque para refazê-lo.
— É o meu primeiro ano. Meus pais encontraram trabalho de professores, assim
que... me toca passar pelo aro.
Ele pareceu se surpreender, pois franziu o cenho. De repente seu olhar se voltou
mais inquieto e inseguro, porém se recompôs em seguida e me estendeu a mão.
— Joe Jonas
— Olá. – Me sentia estranha em me apresentar a alguém que há cinco minutos eu
achava que queria me matar. – Demi Lovato.
— Seu coração está a mil por hora. – murmurou Joe. Voltou a me olhar com
olhos inquisidores e fiquei nervosa, ainda que por motivos diferentes. – Ok, se não corria
por que tinha alguém te perseguindo, então porque corria daquela forma? Por que a mim
não pareceu que você estava dando no pé exatamente.
Eu teria mentido se me tivesse ocorrido uma desculpa cabível, mas não me ocorreu.
— Levantei de madrugada para... Bem, para fugir.
— Seus pais não te tratam bem? Eles te batem?
— Não! Não é isso. – Me senti muito ofendida, mas entendi que era lógico que
Joe deduzisse algo do tipo. Porque alguém em seu perfeito juízo entraria no bosque
antes de nascer o sol e disparar a correr como se a vida dependesse disso? Acabávamos
de nos conhecer, portanto Joe talvez pensasse que estava falando com uma pessoa sã.
Decidi não mencionar o pesadelo recorrente, pois isso pesou na balança para o lado
"louco". – É que eu não quero ir para essa escola. Eu gostava da minha cidade e, além do
mais, a Academia Meia Noite é... É tão...
— Faz com que arrepiem seus cabelos.
— Isso.
— Aonde você ia? Encontrou um trabalho em algum lugar por aí ou algo assim?
Eu estava corada e não era só pelo esforço físico da corrida.
— Ah, não. Na realidade eu não estava fugindo de verdade, só estava levando o
cabo uma... declaração de princípios, ou algo assim. Pensei que fizesse alguma coisa
desse tipo, meus pais finalmente entenderiam o quanto detesto estar aqui e talvez
fossemos embora.
Joe me olhou incrédulo e então sorriu. Seu sorriso transformou a estranha energia
que tinha se acumulado dentro de mim e transformou o medo em curiosidade, até mesmo
em entusiasmo.
— Como eu com o estilingue.
— O quê?
— Quando eu tinha cinco anos, pensei que meus pais estavam sendo injustos
comigo e decidi ir embora de casa. Levei o estilingue comigo porque já era todo um
machão, se me endente e eu era capaz de cuidar de mim mesmo. Acho que também levei
uma lanterna e um pacote de Oreo.
Apesar do aturdimento, me escapou um sorriso.
— Acho que estava mais preparado do que eu.
— Saí muito digno da casa em que vivíamos e cheguei até... o final do quintal dos
fundos, então resolvi resistir ali mesmo. Fiquei lá fora o dia todo, até que começou a
chover. Eu não tinha me lembrado de pegar um guarda-chuva.
— Um maravilhoso plano. – Suspirei.
— Eu sei, é patético. Voltei para casa, com dor de estomago e entupido depois de
ter comido uns vinte Oreos, e minha mãe, uma senhora muito inteligente ainda que me
deixe furioso, fingiu que nada tinha acontecido. – Joe deu de ombros. – Os seus pais
farão o mesmo. Sabe disso, certo?
— Agora sei.
Estava tão decepcionada que um nó se formou em minha garganta. Na verdade eu
sabia desde o início como aquilo ia terminar, mas não podia ficar de braços cruzados;
talvez eu só o tenha feito para deixar claro minha frustração antes de enviar uma
mensagem aos meus pais.

capitulo 1

Era o primeiro dia de aula, ou seja, a última chance de escapar.
Eu não tinha uma mochila com um kit de sobrevivência ou de uma
carteira volumosa para comprar um bilhete de avião para onde quer que
fosse, ou um amigo me esperando na rua, em um carro com o motor em marcha.
Resumindo: Precisava do que a maioria das pessoas em seu juízo perfeito chamaria de
“um plano”.
No entanto, dava na mesma, eu não pensava em ficar na Academia Meia Noite por
nada no mundo.
A fraca luz do amanhecer apontava no horizonte, enquanto eu tentava me enfiar nos
jeans embolados e tirava um grosso suéter preto. A essas horas da manhã e nas alturas em
que já estávamos, fazia frio, mesmo em Setembro. Prendi meus cabelos num coque feito
às presas e calcei as botas de montaria. Apesar da importância de não fazer barulho, eu
não me preocupava se meus pais acordariam. Eles não eram exatamente madrugadores,
por assim dizer. Caiam mortos na cama, até que soava o despertador e para isso ainda
faltava umas duas horas.
O que me dava uma boa vantagem.
Do outro lado da janela do meu quarto, a gárgula de pedra me ferroava com o olhar,
enquanto sorria para mim com uma careta ladeada por algumas proeminentes presas.
Peguei minha jaqueta jeans e lhe mostrei a língua.
— Da mesma forma que gosta de estar pendurada aí fora, no Baluarte dos Malditos
– murmurei – Então que aproveite.
Fiz a cama antes de sair. Normalmente têm que ficar em cima de mim para que eu a
faça, mas desta vez nem tiveram que me dizer. Eles já teriam o bastante com o ataque que
iam ter mais tarde e pensei que esticando a colcha me redimiria um pouquinho com eles.
Ainda que o mais provável fosse que eles não partilhassem dessa opinião, o fiz de
qualquer forma. Estava afofando as almofadas quando, de repente, me lembrei de algo
estranho tão vívido, como se ainda não tivesse acordado, algo que havia sonhado essa
mesma noite:
Uma flor cor de sangue.
O vento uivava entre as árvores que me envolviam, agitando os galhos em todas as
direções. Lá em cima, o céu se encobriu com nuvens tempestuosas. Afastei meus cabelos,
que puniam meu rosto. Eu só queria olhar a flor. As pétalas, peroladas de chuva, eram
de um vermelho vívido, langoroso e acentuado, como os de algumas orquídeas tropicais.
No entanto, a flor estava exuberante e completamente aberta, pendendo no ramo como
uma rosa. Era a mais exótica e fascinante flor que eu já tinha visto Ela tinha que ser
minha.
Porque essa lembrança me fez estremecer? Era só um sonho. Respirei fundo e me
concentrei. Era hora de partir.
Eu tinha a mala pronta. Eu a tinha enchido na noite anterior com apenas algumas
coisas: Um livro, óculos de sol e um pouco de dinheiro se no final precisasse ir até
Riverton, que era a coisa mais próxima da civilização que havia na área. Isso me manteria
ocupada o caminho todo.
Bem, eu não estava fugindo de casa, pelo menos não de verdade, como quando você
rompe com tudo e assume uma nova identidade e, sei lá, se junta a um circo ou algo
assim. Não, se tratava de uma declaração de princípios. Eu tinha me oposto desde o
primeiro momento em que meus pais deixaram transparecer a idéia que entraríamos na
Academia Meia Noite, eles como professores e eu como aluna. Tínhamos vivido na
mesma cidadezinha a vida inteira, eu tinha ido ao mesmo colégio com as mesmas pessoas
desde que tinha cinco anos e queria que continuasse sendo assim. Há pessoas que gostam
de conhecerem estranhos e fazem amigos com facilidade, mas eu nunca fui assim. De
jeito nenhum.
É engraçado como quando as pessoas te chamam de "tímida", elas costumam sorrir.
Como se tivesse graça, como fosse umas dessas manias que você acaba perdendo quando
se fica mais velho, como os vãos que ficam entre os dentes quando caem os de leite. Se
elas soubessem o que se sente quando não se trata só de que seja difícil quebrar o gelo,
mas sim de você ser tímido de verdade, elas não sorriria. Pensariam duas vezes se
soubessem que essa sensação te tortura o estomago, ou te faz suarem as mãos, ou te
impede de dizer algo que tenha sentido. Não tem nenhuma graça.
Meus pais nunca tinham sorrido ao falar sobre isso. Conheciam-me muito bem e por
isso sempre achei que eles me compreendiam... Até que decidiram que, com 17 anos,
tinha chegado a hora de superar. E que melhor lugar do que um internato? Ainda mais se
eles também iam inclusos no pacote.
De certa forma adivinhei o que eles propunham, ainda que fosse só em teoria.
Quando nos dirigimos à entrada da Academia Meia Noite e vi aquele bloco gótico de
pedra tão monstruoso, soube imediatamente que não ai ficar ali nem morta. Meus pais se
fariam de surdos, de modo que eu teria que obrigá-los a me ouvir.
Fui avançando nas pontas dos pés pelo pequeno apartamento para professores que
minha família tinha usado durante esse ultimo mês. Ouvi os leves roncos de minha mãe
atrás da porta fechada do quarto de meus pais. Coloquei a mochila no ombro, girei a
maçaneta lentamente e comecei descer as escadas. Vivíamos no alto de uma das torres da
Meia Noite, e sei que isso soa mais excitante do que é na verdade, já que implicava em
descer por uns degraus que tinham sido entalhados na rocha há mais de duzentos anos e
que, com o desgaste do tempo, agora eram irregulares. A grande escada de caracol tinha
poucas janelas e também não tinham acendido as luzes, de modo que a escuridão
contribuía para dificultar a descida.
Quando me abaixei para tomar a flor, a cerca abalou. Foi o vento, pensei, mas não
era o vento. Não, a vedação crescia e o fazia tão rápido que se podia ser apreciada em
primeiro lugar. Trepadeiras e Silvas abriam caminho pelas folhas através de um emaranhado de queixas. Antes que pudesse pensar em correr, a barreira quase havia me
cercado. Eu estava cercada por ramos, folhas e espinhos.
A última coisa que eu precisava era que meus pesadelos me assaltassem a cada dois
por três. Respirei fundo e continuei descendo os degraus até chegar ao grande Saguão do
térreo. Era um espaço majestoso, construído para emocionar, ou pelo menos
impressionar: Chão de mármore, tetos altos abobadados e janelas com vidraças que iam
desde o chão até as vigas formando um padrão caleidoscópio. Todas, menos uma no
mesmo centro, cujos vidros eram transparentes. Deviam ter acabado na noite anterior os
preparativos para o dia de hoje, pois já tinha disposto um pódio para a diretora, onde
receberia os alunos recém chegados. Parecia que todo mundo continuava dormindo, o
que significava que não tinha ninguém que pudesse me deter. Abri a pesada e
ornamentada porta de entrada com um forte empurrão e respirei liberdade.
As primeiras névoas da manhã cobriam tudo com um manto cinza azulado enquanto
eu e atravessava os prados que rodeavam o internato. No século XVIII, quando foi
construída a Academia Meia Noite, essa área era um bosque cerrado. Ainda que algumas
aldeias se espalhassem aos arredores, nenhuma estava próxima à Meia Noite; e apesar
das vistas dos vales e dos densos bosques, ninguém nunca tinha construído uma casa aos
arredores. E com toda razão. Quem iria querer ficar perto desse lugar? Voltei minha visão
para as altas torres da escola, ambas rodeadas pelas silhuetas retorcidas das gárgulas, e
estremeci. Mais alguns passos e elas começaram a desvanecer-se no nevoeiro.
Meia Noite se mostrava ameaçadora atrás de mim. Os muros de pedras das suas
torres era a única barreira que os espinhos não podiam romper. Deveria ter saído
correndo até a escola, mas não o fiz. Meia Noite era muito mais perigosa que os
espinhos e, além do mais, eu não pensava em ir sem a flor.
O pesadelo estava começando a parecer mais real que a realidade. Desconfortável,
dei meia volta e comecei a correr. Afastei-me dos prados e desapareci no bosque.
Logo tudo acabará, disse a mim mesma, abrindo passagem entre as folhas secas e os
ramos caídos dos pinheiros, que rangiam sob meus pés. Ainda que quase não houvesse
cem metros até a porta principal, tinha a sensação de estar muito mais longe. A densa
névoa fazia com que parecesse que eu já me encontrava no coração do bosques. “Meus
pais acordarão e se darão conta que não estou. No final compreenderão que eu não posso
suportar, que eles não podem obrigar-me. Sairão para me procurar e, ok, se irritarão
bastante por tê-los assustado deste jeito, mas vão entender. Sairemos da Academia Meia
Noite e não voltaremos nunca mais".
Estava com o coração apertado. Em vez de me reconfortar, cada passo que me
afastava da Academia Meia Noite colocava em prova a minha determinação. Antes, ao
elaborar o plano, tinha me parecido uma boa idéia, como se fosse infalível, mas agora
que era real e estava sozinha no bosque, entrando em sua espessura, eu não tinha tanta
certeza. Talvez estivesse fugindo para nada. E se me arrastassem de volta de qualquer
forma?
Um trovão explodiu. Meu pulso se acelerou. Virei definitivamente às costas para a
Meia Noite e observei a flor que se abateu entre seus ramos. O vento arrancou-lhe uma
pétala. Coloquei a mão entre os espinhos, senti que cortavam minha pele dolorosamente,
mas isso não me deteve; eu estava decidida.
Comecei a correr para o leste, tentando colocar terra entre Meia Noite e eu, e ao
mesmo tempo meu pesadelo insistia em me acompanhar. Era esse lugar. Arrepiava-me os
cabelos, fazia sentir-me inquieta e vazia. Se me afastava dali, tudo sairia bem. Respirando
com dificuldade, olhei para trás para verificar o quanto tinha me afastado... quando o vi.
A menos de cem metros de mim, havia um homem envolto por um casaco grande e
escuro, entre as arvores, meio oculto pela névoa. No momento em que nossos olhares se
encontraram, ele disparou a correr em minha direção.
Até esse momento não tinha conhecido o que era o medo. Uma sensação fria como
água gelada sacudiu todo o meu corpo e então descobri o quão rápido eu podia correr.
Não gritei. Pra que? Tinha entrado no bosque para que ninguém me encontrasse, a coisa
mais idiota que já tinha feito na vida e, pelo que parecia, também seria a última que faria.
Além do mais, para que eu ia levar um celular, se não tinha cobertura de sinal? Ninguém
viria me salvar. Tinha que correr o mais rápido que pudesse.
Ouvia seus passos atrás, quebrando ramos e afastando folhas. Estava chegando
perto. Deus, como ele era rápido! Como alguém podia correr a essa velocidade?
Te ensinam a se defender, pensei. Supõe-se que você sabe o que fazer em situações
como esta! Eu não me lembrava de nada, não podia pensar em nada. Os ramos rasgavam
as mangas da minha jaqueta e se enganchavam nas mechas de cabelo que tinham se
soltado do coque. Tropecei em uma pedra e mordi a língua, mas continuei correndo. O
homem estava cada vez mais perto, perto demais. Tinha que acelerar, mas não podia.

resposta

oi Demi&Joe32314 , claro que pode , eu não terminei por que não tinha mais ideia, mas se voce quizer pode terminar.

beijemi

ps: voces escolheram eu fazer o livro, lembrando eu apenas irei trocar os nomes, daqui a pouco eu posto o primeiro capitulo

terça-feira, 27 de abril de 2010

perguntinha

gente eu to mega sem criatividade pra essa historia, eu teva pensando em troca ( de novo ) o que voces acham?

se querem que eu continue com essa, for favor me ajudem!!!!

pra nova historia eu tava pensando em coloca um livro que eu li , mas ai eu apenas iria procar os nomes, o livro eh noite eterna da claudia gray

Bianca é mais uma dos novos alunos na escola Noite Eterna, em seu primeiro dia de aula ela conhece Lucas, por quem se encanta. Evernigth é dirigida pela demônio da sr. Bethany, mão de ferro. O prédio antigo, escuro decorado por gárgulas assusta aos alunos indesejavéis, instituição centenária, e frequentada somente por alunos tradicionais, até que neste ano a diretora abre uma excessão, e Lucas Ross esta entre os indesejavéis.

tambem tinha pensado em uma historia com mais suspense, eh tipo assim: selena, demi e nick moram em uma outra dimensão on de existem reis e rainhas e criaturas magicas ( tipo narnia ) e eles são o rei a as rainhas demi e selena são irmas, elas tem poderes magicos, sozinhas eles são pequenas mas quando elas se unem são invenciveis, um dia o reino eh invadido pelo exercito do feiticeiro negro que mata muitas pessoas incluindo selena e nick então demi, que sobreviveu , conheçe joe um valente( e gato ) soldado, e eles vão atraz do espelho magico, que , dizem, realiza qualquer desejo desde que ele venha do coração, pois assim demi pode desejar que selena e nick estejam vivos e assim elas podem derrotar o feiticeiro negro

espero que não fiquem bravos comigo por não querer continuar ( mas se essa for a escolha de voces eu irei continuar ),

beijemi

sexta-feira, 23 de abril de 2010

capitulo 3

justin: o papai ta maluco?
semi: ele quer mata a gente de vergonha

demi: a gente vai sai pra compra alguma fantasia que preste, quer ir?
justin: claro, bora

a gente saiu pela janela, e pegamos o meu carro
chegando no shopping fomos direto para uma loja de fantasias, a sel queria ver umas roupas, eu tambem queria não vo nega, mas tinhamos que ser rapidos, ou o pai podia dar falta da gente

sel: voce primeiro demi
demi: ok
eu peguei umas 4 fantasias e fui esperimentar

1- abelha
2- bule - de- cha
3- vovo
4- fada ( a melhor )
( não tem foto da demi vestida de fada então coloquei essa )

depois foi a sel, a gente decidiu ir as duas de fada

ela ficou assim
o justin
voltamos pra casa e o pai nem viu que a gente saiu kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

fomos dormi

eu sei que ta uma grande merda, mas eh que eu to sem tempo e minha criatividade foi da uma voltinha, prometo que recompenso voces com 3 capitulos esse fim de semana, mas semana que vem eu so vo posta quinta - feira , por que tenho prova de historia e quimica , no mesmo dia e digamos que eu nessas materias eu esteja um pouco mal

beijos

quinta-feira, 22 de abril de 2010

capitulo 2

demi: EU NÃO CASO!!!!!!

eu dei um berro, de repente eu senti uma dor no rosto

eu não acredito , o meu pai me bateu, como ele foi capaz?

demi: ai, ta doendo

pd: eh bom que doa

sel: o senhor ta loco?ela me abraçou

pd: calada , ou a proxima que vai apanhar eh voce

eu vi o nick saindo de fininho, mas não dei bola, foi melhor assim, ele deve ter se dado conta que isso eh entre nós tres

demi: o senhor pode me bater o quanto quiser, mas eu não caso

sel: pai a demi ta certa, afinal ela tem so 17 anos

pd: quando eu me casei com a mae de voces ela tinha 17 anos tambem

demi: so porque a mamae caso cedo não significa que eu tambem tenha

sel: o senhor não pode forçar a demi a casar

xxx: o que?

pd: justin aonde voce estava?

justin: eu so fui da uma volta

pd: voce devia estar aqui a meia hora, tem que ir pra empresa

sel: o senhor vai continuar com isso?

demi: não ve que esta fazendo todos infelizes me forçando a casar forçando o justin a trabalhar na empresa e impedindo eu e a sel de realizarmos o nosso sonho?

justin: o que? o papai ta te forçando a casar?

sel: eh , ele acha que a demi deve casar agora

pd: e voce tambem selena, logo eu encontrarei um marido para voce, espero até que voce e a sua irmã se casem no mesmo dia, e daqui a uns dois ou tres anos eh o justin que vai casar

semi/justin: NEM PENSAR!!!!!!!!!!!! EU NÃO CASO DE JEITO NENHUM!!!!!!!!!!!!!!!!

pd: os tres estão de castigo , uma semana sem computador, agora jah para seus quartos

demi: otimo, então não esperem por mim amanha na festa ridicula a fantasia

sel: não contem comigo tambem

justin: muito menos comigo

pd: voces vão ir sim, afinal eu irei comunicar o noivado da demi

eu fiquei paralizada, ele vai comunicar isso amanha?eu conheci o meu noivo hoje

justin: irei vestida de pirata , quem sabe a fantasia não vem com uma arma de verdade

demi: acho que eu vou de dançarina de boate, quem sabe eu não boto chifre no nick antes mesmo da gente conpletar dois dias

semi/ justin: hsuahsuahsuahsuahsuhasu

pd: nada disso, as meninas iram de princesas e o justin de principe

ele so pode estar brincando

pd: as roupas estão nos quartos de voces, agora vão

a gente saiu correndo pros quartos

( eu e a sel tenhos o mesmo quarto, por que o dela tão reformado )

quando a gente entro tinha dois vestidos horriveis

o da selena


e o meu
demi: de jeito nenhum eu uso isso

sel: muito menos eu

demi: eu vo escolhe uma fantasia pra mim, voce vem?

sel: como a gente vai sai?

demi: pelo quarto do justin

a gente saiu de fininho do nosso quarto e entramos no do justin

ele tava paralizado olhando a roupa dele e sinceramente eh pior que as nossas

justin: o papai ta maluco?

semi: ele quer mata a gente de vergonha

quarta-feira, 21 de abril de 2010

capitulo 1 - amor inesplicavel

sel: Vamos Demi!!!

eu não acredito, jah ta na hora de acorda

demi: só mais 5 minutinhos, por favor selly

selena eh minha irmã gemea, mas a gente não eh igual, na verdade a unica coisa que a gente tem de igual eh a cor do cabelo e a cor dos olhos
sel: Nada dissa maninha, o papai quer falar contigo.

demi: o que ele quer?

sel: não teho ideia, mas eh melhor voce ir la-avisa que eu to descendo
demi: ok , to indo

eu me vesti e fiquei assim
desci e o pai tava me esperando

demi: Oi pai , qual a nova?

PD(pai demi): filha, tenho uma grande novidade , e acho que voce vai adora!

demi: vai deixa eu faze o teste pro filme da disney?

o meu sonho eh ser uma grande atriz e cantora mundialmente famosa, estou sempre fazendo testes, mas meu pai não deixa então eu fasso escondido.

PD: voce sabe que não, a novidade eh que eu achei o marido perfeito para voce
demi: O QUE??????????????????????????

a sel veio correndo, acho que eu gritei alto d+

sel: o que aconteceu? quem morreu?
demi: a minha paciencia morreu! como o senhor quer que eu me case? eu tenho 17 anos, nem idade pra casa eu tenho

PD: voce vai casar, querendo ou não

sel: pai, o senhor não acha que ta sendo precipitado?

PD: não se mete selena,vão pra escola depois a gente conversa
a gente foi pra aula

na volta a gente tava no meu carro

sel: e então voce vai de que?
a gente tava falando da festa de fantasia anual dos lovato, não que eu tivesse interesada

demi: acho que não vo

sel: o que??? eu sei que voce ta mal com o pai , mas eh festa e voce eh demetria lovato nunca recusa uma festa

ela tem razão,festa eh a minha vida
demi: ok, eu acho que veu de ..........

tive uma ideia, mas vou dexar a sel curiosa

sel: de??
demi: vai fica curiosa, não vo falar

sel: por favor

ela ta fazendo carinha de cachorrinho que caiu do caminhão da mudança, mas eu não vo cai nessa

demi: não, vai te que espera até amanha
sel: chata

ela fico com cara de brava até a gente chega em casa

quando eu entrei vi o meu pai sentado no sofa conversando com um cara lindo, não LINDO mas ele eh bunitinho ( menti eh feio demi, ele não eh lindo eh MUITO lindo ) e sel ta babando por ele

demi: oi pai, oi cara que eu não conheço

pd: oi filhas, demi esse eh o nicholas jerry lucas , seu noivo

ele não tava de brincadeira, mas ele não vai me forçar a casar

demi: oi. olha nick , não eh voce, mas eh que eu não quero casa.

pd: mas vai, eu e os pais do nicholas decidimos isso

demi: pai , a gente ta no seculo XXI, essa historia de os pais decidirem com quem os filhos casam eh de seculos atras

nick: olha se isso te deixa mais a vontade , eu tbem não quero casa, afinal tenho so 17 anos

pd: não se mete moleque ou eu desfaço o casamento , o que não vaiagrada nem um pouco os seus pais

agora ele baixou a cabeça, mas eu não vo me subordinar ao papai

demi: EU NÃO CASO!!!!!!

eu dei um berro, de repente eu senti uma dor no rosto

eu não acredito , o meu pai me bateu, como ele foi capaz?

demi: ai, ta doendo

pd: eh bom que doa

personagens-amor inesplicavel



Demetria Devonne Lovato

17 anos

Filha de um dos mais ricos empresarios do mundo , mora em L.A. com sua irmã Selena e seu irmão mais novo, Justin eh a do meio por 2 minutos, tem uma voz incrivel, sonha em ser atriz e cantora, mas prefere cantar do que atuar, eh infeliz, pois seu pai não a deixa realizar seu sonho, na vida dela tudo eh preto e branco, ela vive por viver, isso até a festa a fantasia anual que acontece em sua casa onde ele conhece joe, mas se pai quer que ela se case a todo custo com Nick.


Joe Jonas

20 anos

Filho de um dos mais ricos empresarios do mundo , eh o filho caçula ( por apenas alguns segundos ) gemeo de Liam, esta sendo treinado para assumir o lugar do pai, não quer isso, mas seu pai fala que como eh o unico filho que não tomou um rumo na vida tera que assumir a empresa, nisso tem a ajuda de Zac, eh infeliz, mas isso ira mudar quando ele e seus irmãos forem a festa a fantasia anual dos Lovato.


Selena Marie Gomez Lovato

17 anos

Irmã gemea de Demi, mais velha por 2 minutos, tambem tem o sonho de ser atriz e cantora, mas ao contrario de Demi , prefere atuar do que cantar. Selena eh infeliz como a irmã nunca se apaixonou, mas isso vai mudar. Vai ajudar Demi a se encontrar com Joe.



Nicholas Jerry Lucas

17 anos

É obrigado pelos pais a se casar com Demi , mas não quer isso, nunca se apaixonou, mas isso muda ao conhecer Selena , irmã gemea de Demi.



Zachary David Alexander Efron Jonas

22 anos

Irmão mais velho dos Jonas, é ator namora Vanessa Hudgens, vai ajudar Joe na empresa, na verdade está sempre fazendo o trabalho de Joe, pois entende muito melhor que ele sobre as contas da empresa.

Vanessa Anne Hudgens

21 anos

Namora Zac Efron, é cantora e atriz.


Liam Hemsworth Jonas

20 anos

irmão de Joe e Zac, é o do meio , modelo, não da muita bola pra vida e vive discutindo com o pai , por isso fugiu de casa, namora miley, fala com os irmãos , mas desde que fugiu nunca mais falou com o pai, amigo de Semi.


Miley Ray Cyrus

17 anos

melhor amiga e prima de Semi , namora Liam, cantora e atriz vai ajudar as garotas a realizarem seus sonhos, e a serem felizes com seus amados, nunca apresentou liam para seus pais pois ele eh um jonas e ela eh prima dos lovatos.


Justin Bieber Lovato

15 anos

irmão mais novo de Demi e Selena, canta super bem mas ninguem sabe, ama andar de skate, seu pai quer que ele assuma a empresa, mas ele está sempre faltando, o que acaba e briga com seu pai.

PS: A HISTORIA EH NARRADA PELA DEMI

NOVO HISTORIA

ENQUETE ENCERRADA

VENCEDORA: JEMI_AMOR INESPLICAVEL COM 75% DOS VOTOS

OBRIGADA A QUEM VOTOU, DAQUI A POUCO EU COLOCO OS PERSONAGENS

BJEMI

quinta-feira, 15 de abril de 2010

nova historia votação

eu vo criar outra historia, vo colocar 5 sinopse e voces vão escolher, entre parenteses está da onde eu tirei a ideia

1-jemi_a hospedeira ( a hospedeira-livro-stephenie meyer )

Selena Gomez se recusa a desaparecer. Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo.

Quando Selena, um dos humanos "selvagens" que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Demetria, a "alma" invasora designada para o corpo de Selena, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Demetria não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente.

Demetria investiga os pensamentos de Selena com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Selena ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Nicholas, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Demetria começa a se sentir intensamente atraída por alguém a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada. Quando os acontecimentos fazem de Selena e Demetria improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam.

2- jemi_amor inesplicavel ( o bom e velho romeu e julieta )

Imaginem ser a garota mais rica do pais e ser infeliz, imaginem viver a vida apenas por viver, todas as coisas serem em preto e braco, então alguem entra na sua vida e tudo fica colorido, foi o que aconteceu com demetria lovato, durante a festa a fantasia em sua casa, ele conheceu joe jonas eles se apaixonaram e começaram a viver uma grande historia de amor, mas como toda historia de amor esse eh um amor impossivel pois jonas e lovato são grandes inimigos e não suportam nem se olhar. Sera que o amor de demetria e joe vai sobreviver a essa rivalidade? sera que eles vão consiguir ficar juntos?

3-jemi_two worlds collide ( os feiticeiros de warvely place )

Demi , selena e miley amigas inseparaveis , contam todos os seus segredos umas pra outras, as tres tem um grande segredo, tem poderes sobrenaturais como dominar os 4 elementos, ler pensamentos entre outros, Demi eh meiga legal linda e inteligente mas esconde grandes segredos sobre o seu passado apenas selena sabe, Selena eh linda , inteligente e engraçada namora com nick que tbem tem poderes e Miley eh linda e muito muito desastrada namora liam que tbem tem poderes, o que aconteceria se demi se apaixonasse por joe jonas um cara comum e tivesse que escolher entre seus poderes e joe?
ps: todos são famosos

4-Jemi_fortaleza digital ( livro fortaleza digital - dan brown )

Ensei Tankado, um ex-funcionário da agencia de segurança nacional (NSA) que jura vingar-se dos EUA, desenvolve um algoritmo de encriptação inquebrável, algo considerado impossível, que caso seja publicamente utilizado inutilizará o computador superpotente da NSA,TRANSLTR, na decodificação de mensagens. A este algoritmo dá o nome de Fortaleza Digital.


Tankado conta com a ajuda de David Henrie, pessoa responsável por tornar o Fortaleza Digital público caso Tankado morra sem cumprir seu objetivo. Tankado sofre uma morte misteriosa, supostamente causada por um ataque cardiaco. Antes de morrer, Tankado tenta chamar a atenção das muitas pessoas que passavam ao seu redor numa praça publica da Espanha para o anel que trazia na sua mão esquerda, anel esse que seria a chave do Fortaleza Digital.


Taylor Cyrus, vice-director da NSA, convida Joe Jonas para ir a Eapanha em busca do anel e juntamente com a criptóloga Demi Lovato, noiva de Joe, tenta evitar a disseminação do Fortaleza Digital. Sem saber em quem confiar, Demi e Joe, separados, tentam encontrar a solução para evitar o que poderia ser o maior desastre da História da Segurança de Informações norte-americana.



5-Jemi_ponto de impacto ( livro ponto de impacto - dan brown )



Quando a NASA encontra um enorme meteorito enterrado na geleira Milne, no alto Ártico, contendo fósseis – uma prova irrefutável da existência de vida extraterrestre - as autoridades políticas americanas se movimentam para tomar vantagem de tal acontecimento. O fascinante achado acontece exatamente quando a NASA se tornou uma questão central na disputa pela presidência que está para acontecer. O candidato à reeleição, o presidente Kevin Lucas, vem perdendo pontos com os ataques de seu oponente, o senador Patrick Lovato, à ineficiência e aos gastos excessivos da agência espacial.

Para evitar especulações sobre a autenticidade do meteorito, a Casa Branca convoca Demi Lovato, analista do NRO – o Escritório Nacional de Reconhecimento – e filha do adversário do presidente, para verificar os dados levantados pela NASA. Além dela, quatro renomados cientitas são enviados para o Ártico, entre eles o oceanógrafo e apresentador de TV Joe Jonas.

Mas quando suspeitas de fraude surgem, os cientistas passam a ser caçados por uma equipe de assassinos profissionais, controlada à distância por um inimigo poderoso. Tentando escapar da morte, Demi e Joe enfrentam os perigos da gelada paisagem do Ártico e inúmeras outras ameaças enquanto tentam descobrir quem se esconde por trás dessa genial armação.

a votação vai até dia 24/04/2010 eu vo faze uma enquete

beijos

capitulo 25 ultimo

xxx: demi ? onde voce tah?

o joe jah chego

demi: to aqui na cozinha amor

joe: o que houve?

demi: minha mãe apareceu pra mim, depois de 5 anos

joe: nossa? e o que ela disse?

demi: ela veio me dar um recado

joe: recado?

demi: eh , ela disse que a gente vai ganhar um grande presente

joe: presente? não entendi

demi: eu tambem não

de repente eu fiquei tonta

se não fosse o joe eu teria caido no chão

joe: voce ta bem?

demi: to, eu so fiquei um pouco tonta

joe: vem senta aqui

ele me pos sentada em uma cadeira

joe: melhor?

demi: sim

eu não sei o que aconteceu , deve ser emocional pelo encontro com a minha mãe

joe: quer ir no medico ?

demi: não precisa

joe: ok .

de repente a sel entra com tudo na casa

demi: o que houve sel?

sel: oi joe, a gente precisa conversa, então xau joe

joe: estou sendo expulso?

sel: sim , xau

deve ser importante, a sel ta super nervosa

demi: xau amor, a gente se ve depois ok?

joe: ok , te amo

demi: tambem te amo

eu dei um beijo nele e ele foi embora

demi: fala

sel: eu e o nick...

demi: voce e o nick?

sel: a gente...

demi: voces?

sel: a gente passo a noite juntos, tipo juntos

demi: e como foi?

sel: foi perfeita

a gente começo a grita e se abraça

mas eu começei a me sentir enjoada e corri pro banheiro

a sel veio atras de mim

sel: ta tudo bem demi?

demi: não , eu to enjoada, e tonta

a sel me levo pra sala e eu me sentei no sofá

sel: ta melhor?

demi: mais ou menos

sel: o que voce tem?

demi: jah disse nada

eu fui me levantar

mas fiquei tonta de novo mas dessa vez ninguem me sugurou

a ultima coisa que eu lembro antes de tudo fica escuro eh da sel gritando o meu nome

quando acordei vi que estava em um hospital

joe: oi amor que bom que voce acordo

demi: quando tempo eu fiquei desacordada? o que aconteceu?

joe: voce ficou so alguns minutos, o medico jah deve estar trasendo os exames

nessa hora o medico entro

demi: então o que eu tenho?

joe: eh algo grave?

med: não eh nada grave, meus parabens, voces esta gravida

eu to gravida?

eh como um presente, espera o presente da minha mãe

demi: o presente que a mãe falo

joe: um otimo presente

o joe me beijou apaixonadamente

med: voce jah tem alta

demi: obrigada

eu me arrumei e sai com o joe tava todo o pessoal na sala de espera

sel: e ai amiga? o que o medico disse?

demi: ele disse que eu ganhei um presente

mil: como assim?

joe: a demi ta gravida

nelena: parabens!!!!!!

mil : agora somos duas gravidas, falta so a sel

demi: quem sabe o nick jah não resolveu isso?

sel: demi!

o joe me levo pra casa

______meses depois depois______

demi: AAAAHHHHHH JOEEE

joe: o que foi ?

demi: ta nascendo

ele me levou pro hospital

duas horas depois eu tava com a minha filhinha no braço

demi: qual vai ser o nome dela?

joe: que tal michie?

demi: adorei, a michie esta de volta

a gente riu

quando a gente saiu do hospital tinha um monte de reporter

rep1: joe , demi qual o nome da filha de voces?

demi: michie lovato jonas

rep2: como voces estão?

demi: hoje eu sou a mulher mais feliz do mundo

o que eh completamente verdade

to casado com o joe, tenho uma filha com ele

a selena ta gravida do nick e eh um menino

a miley teve um menino que eles deram o nome de shane

minha vida ta completa

FIM *_*


espro que tenham gostado

daqui a poco eu posto a votação pra nova historia

bjemi

HAPPY BIRTHDAY

A atriz Emma Watson , que compõe o trio principal de atores no elenco de Harry Potter, veterana presente desde 2000 como a Hermione Granger, está completando hoje 20 anos de idade. Ela vem se tornando uma estrela que ultrapassou as fronteiras artísticas, expandindo seu talento para o mundo da moda e se tornando fonte de grande inspiração para fãs no mundo todo.

Emma dá vida a Hermione do jeito que a autora J.K. Rowling tinha em mente quando a caracterizou nos livros: espera, aborrecida, corajosa e uma ótima amiga. Sua relação com a personagem é bastante íntima, uma vez que ela já afirmou que a Hermione tem muito de si.

Além de Harry Potter, o drama dançando para a vida (Ballet Shoes) produzido pela BBC proporcionou a ela em 2007 uma experiência muito diferente de Harry Potter, assim como seu trabalho de dublagem no filme O Corajoso Ratinho Despereaux, lançado no ano passado.

Atualmente ela está finalizando as filmagens de Harry Potter e as reliquias da morte parte I e II, e também frequentando à Universidade.

Desejamos a ela um feliz aniversário, que seu talento possa render uma grande carreira artística!
Feliz aniversário, Emma Watson!

by http://www.oclumencia.com.br/